fbpx

A importância do mapeamento de redes para a segurança das empresas

A importância do mapeamento de redes para a segurança das empresas

Com a pressão por uma infraestrutura mais volumosa e ágil, a fim de sustentar a evolução tecnológica e ter mais segurança de informação, diretores e gerentes de TI devem buscar processos bem definidos e eficientes

O mercado do mapeamento de redes vem crescendo de maneira excepcional nos últimos anos, em virtude do aumento de uma exigência mundial por conectividade de alta velocidade e tecnologia. Eficiência, robustez e segurança são os elementos primordiais neste sentido.

Cada vez mais, as empresas estão sendo pressionadas para possuírem uma infraestrutura mais volumosa e ágil, a fim de sustentar a evolução tecnológica e ter mais segurança de informação.

Isso traz desafios. Para os diretores e gerentes de TI, pode se tornar um problema, caso não haja processos bem estabelecidos e eficientes. O mapeamento de redes envolve o controle de inúmeras variáveis, como por exemplo:

  • Mapeamento de toda a estrutura de TI, bem como pontos de gargalos de tráfego e melhorias a serem feitas.
  • Após mapear todos os processos, dentro da estrutura de TI, encontrar formas de otimizar a rede.
    O mapeamento não serve apenas para descobrir pontos falhos e nem se propõe a desenhar apenas a topologia da rede. Ele busca um diagnóstico geral da rede, para que melhorias assertivas sejam implementadas.

Uma rede lenta, sem documentação completa, ou então, com gargalos de tráfego e de transmissão, tem um grande potencial de gerar enormes prejuízos no longo prazo.

Com um apurado diagnóstico de redes, que identifica os pontos problemáticos, é possível tomar decisões assertivas. Isso, naturalmente pode representar economias consideráveis para qualquer empresa.

Mapear para otimizar deveria ser o princípio de qualquer ação dentro da Tecnologia da Informação. Sem mapear corretamente o fluxo das informações e de que forma elas estão sendo transmitidas, fica difícil encontrar os problemas e gargalos que a rede apresenta.

Isso pode evitar, por exemplo, custos desnecessários. Um exemplo claro, que identificado em diversas vezes, são os de empresas que entendem precisar de um upgrade em sua estrutura e acabam investindo nisso, quando na verdade, era possível obter uma melhora apenas com o correto mapeamento das redes e realizar uma otimização nas mesmas.

Antes de expandir a estrutura física, muitas vezes, podemos buscar extrair o máximo do que já se possui, mas isso só será possível se houver um diagnóstico claro. Caso contrário, tudo não passará de palpite. E no mundo da tecnologia, palpite, sem um racional, geralmente acaba em prejuízo.

A lógica por trás disso é muito simples, mas com um forte impacto na rotina das empresas: um custo adicional de 2% ao mês, gerado por um uso inadequado da rede, traz, ao final do ano, 24% a mais de dinheiro desperdiçado.

Dependendo do tamanho de sua rede, isso pode representar cifras consideráveis, não é? O mapeamento de redes é uma prática que busca primeiramente, fazer com que sua empresa faça investimentos mais assertivos, otimize a utilização da estrutura e viabilize um crescimento de forma consistente e precisa.

Marcio Vidal é Diretor de Engenharia da Everest Ridge. Atua desde 1998 na área de Telecomunicações – trabalhou em grandes operadoras, desenvolvendo projetos nas áreas de Backbone IP, datacenter e projetos especiais. Atuou no Grupo OI, no desenvolvimento, expansão e interconexão da rede.

Fonte: Decison Report

Deixe uma resposta